frais livraison

França diz parada na Amazon: fim do “tudo grátis” nas entregas de livros online, conheça as novas regras!

Regulamentações destinadas a combater a concorrência desleal

Para restaurar a justiça entre os gigantes do comércio online e as livrarias independentes, a França decidiu implementar novos regulamentos relativos aos custos de entrega das encomendas de livros. A partir de agora, apenas encomendas superiores a 35€ beneficiarão de custos de entrega reduzidos.

Este regulamento, que entrará em vigor no dia 7 de outubro de 2023, fixa um valor mínimo de custos de entrega em 0,01€.

O impacto nos usuários do Amazon Prime

Até agora, os assinantes do Amazon Prime recebiam frete grátis nos livros, o que era um dos principais atrativos dessa assinatura. No entanto, com os novos regulamentos, os membros do Amazon Prime agora terão que pagar os custos de envio para a compra de seus livros.

Esta decisão pode resultar na perda de assinantes da Amazon, especialmente após os recentes aumentos de preços.

A reação da Amazon e da Fnac

Perante esta medida, empresas como a Amazon e a Fnac reagiram aplicando os custos mínimos de entrega autorizados, ou seja, 0,01€. No entanto, isto apenas se aplica a encomendas superiores a 35€.

Para encomendas inferiores a 35€, passará a ser exigida uma taxa de entrega mínima de 3€ nas principais plataformas online. Essa mudança deve tornar as ofertas das livrarias locais mais competitivas em comparação às compras online.

Argumentos da Amazon para justificar custos de entrega gratuita de livros

Desde o início das discussões sobre os custos de entrega de livros, a Amazon sempre enfatizou que as entregas gratuitas contribuem, pelo menos em parte, para compensar a ausência de livrarias locais em certas áreas rurais ou onde falta este tipo de negócio.

O fim dos custos de entrega gratuita de livros poderá, portanto, ter um impacto nestas áreas já desfavorecidas.

O futuro das livrarias independentes e do mercado livreiro

  • Melhor equidade entre grandes plataformas e pequenas empresas locais: anteriormente, gigantes como a Amazon podiam colocar as livrarias locais em dificuldades ao oferecer custos de entrega atrativos, mas este não será mais o caso com a nova medida.
  • Consumidores potencialmente mais inclinados a apoiar empresas locais: confrontados com custos de entrega semelhantes, alguns compradores podem preferir recorrer a livreiros independentes em vez de plataformas online.
  • Um impacto incerto na venda online de livros: esta medida poderia incentivar o comércio local, mas também poderia encorajar os consumidores a recorrer a outros meios de comunicação (livros digitais, áudio, etc.) ou a consolidar as suas compras para atingir o limiar de 35 euros e beneficiar de custos de entrega reduzidos.

Em resumo, os novos regulamentos sobre custos de entrega de encomendas de livros em França visam proteger as livrarias independentes e promover uma concorrência mais justa. No entanto, só o tempo nos dirá se estas medidas terão um impacto realmente positivo no mercado livreiro e nas pequenas empresas locais.